Skip to content

Paulo Guedes criticou lucros excessivos dos bancos e incita mais concorrência

junho 5, 2019
paulo guedes criticou lucros excessivos dos bancos

Paulo Guedes criticou lucros excessivos dos bancos, nesta terça-feira, acrescentando que o país precisa de uma injeção de concorrência para acabar com o que chamou de cartéis que dominam muitos de seus principais setores.

Leia também:

Paulo Guedes criticou lucros excessivos dos bancos

Em depoimento ao Comitê de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados, Paulo Guedes criticou lucros excessivos dos bancos e disse que setores como o bancário, petróleo e serviços postais refletem a falta de competição que está retendo o Brasil e impedindo que o crescimento se recupere.

Os bancos se saíram bem no primeiro trimestre do ano, segundo os parlamentares, embora a economia tenha se contraído pela primeira vez desde 2016, colocando o país no meio do caminho de volta à recessão.

“Os lucros dos bancos são enormes, eles são realmente excessivos”, disse Guedes, observando que os poucos bancos do Brasil, um grande produtor de petróleo, duas principais refinarias e um distribuidor apontam para uma economia “cartelizada”.

“Precisamos de concorrência, a concorrência é boa”, disse ele, acrescentando que o banco central priorizou a abertura da economia, particularmente do setor financeiro.

Dados do Banco Central

De acordo com o Banco Central do Brasil, citando dados do Bank for International Settlement, os cinco principais bancos brasileiros detêm 82% do total de ativos bancários. Esse é um nível de concentração mais alto do que todos os outros principais países emergentes, como Índia, China, Coréia do Sul, México e Cingapura.

Paulo Guedes criticou lucros excessivos dos bancos e repetiu que quer acelerar o processo de privatização, ecoando seus comentários no começo do ano que, se fosse do seu jeito, venderia “tudo”, mas notou que o presidente Jair Bolsonaro não compartilha seus instintos de privatização.

Ainda assim, o presidente está chegando à sua maneira de pensar, disse Guedes aos legisladores.

Ele voltou a ter uma nota otimista e otimista sobre o impacto da reforma previdenciária na economia, argumentando que a aprovação de um pacote forte colocaria o Brasil de volta no caminho do crescimento “imediatamente”.

Muitos economistas duvidam disso, e reduziram as previsões de crescimento para este ano e as cortaram para o próximo, mesmo mantendo as expectativas de que um projeto de reforma da previdência seja aprovado.

O projeto de lei do governo tem como objetivo economizar 1,223 trilhão de reais (US $ 321 bilhões) durante a próxima década por meio de uma mistura de elevação da idade mínima de aposentadoria, aumento das contribuições dos trabalhadores e outras mudanças no sistema de seguridade social.