Skip to content

Thiago Larghi é alvo de vaias e comenta pressão e substituições feita diante do América-MG

outubro 15, 2018

O Atlético-MG não teve uma boa atuação diante do América-MG, em clássico válido pela 29ª rodada do Campeonato Brasileiro, empatou sem gols, teve Victor como principal destaque e viu o Santos se aproximar na tabela de classificação na briga por vaga no G-6. Agora, a diferença entre o Galo, sexto, e o Peixe, sétimo, é de quatro pontos – 46 a 42. O treinador Thiago Larghi comentou sobre o fraco rendiemnto do time no estádio Independência.

– A gente não consegue manter aquele padrão que a gente teve antes da Copa. Temos uma alternância no nosso desempenho. Logicamente é uma coisa que a gente não deseja, e o time está trabalhando para tentar alcançar. As mudanças aconteceram, o rearranjo não é fácil durante o Brasileiro. O time segue trabalhando e lutando. Realmente não é o ideal. Empenho não faltou. Mas realmente aquela liga, dinâmica, sintonia, o entrosamento (estão faltando). A gente vê que é uma engrenagem que não está funcionando com fluidez. A gente lamenta, e o que a gente pode fazer é trabalhar. Estamos melhorando no dia a dia.

Após o apito final, a torcida ficou impaciente e insatisfeita e vaiou muito o técnico, além de gritos de ‘burro’ e protestos contra a diretoria.

– Respeito demais a opinião do torcedor, ele tem toda a liberdade de criticar, expressar a opinião dele. Estou aqui para servir ao clube, fazer o melhor. Sou muito grato por ter feito tudo que fiz até agora. E vou seguir fazendo o melhor enquanto eu estiver aqui. A gente tem nosso limite de atuação, mas o que não falta é vestir a camisa com honra, orgulho e seriedade no dia a dia.

Ele ainda completou dizendo que busca sempre o melhor e se dedica no dia a dia. Disse que cabe à diretoria analisar o rendimento e se diz tranquilo.

– Isso (crítica) é corriqueiro no futebol brasileiro. Não sou o primeiro e não vou ser o último. Tenho a cabeça tranquila. Não me abala pessoalmente, porque sei o quanto me dedico, procuro fazer o melhor no dia a dia. Tenho bastante convicção nas coisas que eu faço. Cabe à torcida se expressar, à diretoria tomar a decisão. Temos que manter o foco no trabalho e acreditar no que a gente faz – finalizou.

Durante a partida, um fato que chamou atenção foi quando Thiago Larghi estava prestes a mexer no time com uma dupla substituição (Edinho e Matheus Galdezani), mas teve uma conversa com Elias, que seria um dos escolhidos para sair, momentos antes e isso fez com que as mexidas fossem atrasadas por alguns minutos, deixando no ar até uma troca de jogadores para sair e entrar. Entretanto, nada foi alterado e as duas escolhas foram mantidas. O comandante explicou o episódio.

– A segunda, para deixar bem claro, foi o que o Elias declarou na entrevista. Eles estavam para ter um jogador fora de jogo e já tinham feito três substituições. Ele falou: “Thiago, calma, pode ser que ele fique aqui fora”. Aí eu ia arriscar alguma coisa, tirar um zagueiro, de repente. A tentativa de colocar o Galdezani no lugar do Elias, para ficar bem claro, houve uma mudança de sistema. Às vezes, a gente segura os dois volantes e libera os dois laterais ao mesmo tempo. Com a entrada do Galdezani no lugar do Elias, a gente liberaria o Patric e o Fábio Santos ao mesmo tempo, tornando o time mais ofensivo a partir daí. A gente tentou dar ofensividade. O Edinho  também é mais agudo, mais ofensivo que o Tomás.

O Galo faz dois jogos fora de casa seguidos, contra o Fluminense, no próximo domingo, e diante do Ceará, dia 29. Bons resultados são necessários para não ver o Santos se aproximar ou até ultrapassar o Atlético-MG na classificação.

– É uma preocupação. A gente tem que concentrar no que a gente tem que fazer. Não tem que olhar para trás ou para frente, até porque teremos confrontos diretos. Temos que concentrar no nosso jogo, no nosso desempenho. Se a gente somar os pontos que temos pela frente, não temos que nos preocupar com os outros. O time tem que fazer uma autocrítica, todo muito tem que fazer uma análise e ver o que pode melhorar – comentou Thiago Larghi.