Skip to content

Velha política: Bolsonaro volta atrás para obter apoio para a Reforma da Previdência

abril 6, 2019

O presidente de extrema-direita do Brasil, Jair Bolsonaro, fez um apelo aos líderes de cinco grandes partidos de centro na quinta-feira para apoiar seu plano de reforma previdenciária, recorrendo à chamada velha política que ele havia condenado durante a campanha eleitoral.

O cortejo de Bolsonaro com a velha política

O vice-senador do governo, o senador Izalci Lucas, disse à Reuters que Bolsonaro fez bem em formar um gabinete sem interferência política, sem a velha política. Mas as partes agora poderão dividir cerca de 2.000 empregos federais de segundo nível e ter voz ativa em obras públicas que favoreçam os distritos de seus membros.

Bolsonaro, congressista do ‘baixo clero’ de longa data, venceu o cargo de alto escalão ao criticar a corrupção e o comércio extensivo da política de coalizão brasileira. Essas práticas levaram diretamente ao escândalo do “lava-jato” do país, que tem sido chamado de a maior investigação de corrupção política na qual bilhões de dólares em propinas foram canalizados por executivos politicamente nomeados em empresas e partidos estatais.

Leia também:

Para terminar, Bolsonaro prometeu durante sua campanha não usar esses métodos da velha política e tentou governar sem abraçar uma base de partidos em todo o espectro ideológico. Mas com 30 partidos no complicado Congresso Nacional, a obtenção de qualquer projeto requer negociação ágil.

Os 100 dias de marasmo

Com pouco mais de 100 dias de posse de Bolsonaro, sua proposta legislativa eminente para reformar o dispendioso sistema previdenciário e economizar mais de 1 trilhão de reais (US $ 260 bilhões) na próxima década não ganhou nenhum impulso no Congresso, para o desespero do mercado.

A incapacidade de seu governo de organizar o apoio ao tão esperado, mas profundamente impopular projeto de reforma, que a maioria dos economistas diz ser vital para sustentar o déficit público do Brasil e evitar recair na recessão, foi divulgada na quarta-feira.

Foi quando o ministro da Economia, Paulo Guedes, foi interrogado durante uma audiência acrimoniosa de seis horas no comitê da Câmara e praticamente não recebeu apoio, nem mesmo de parlamentares do partido de Bolsonaro. A sessão foi interrompida após congressistas de esquerda se oporem à reforma trocando insultos com Guedes.

Novos diálogos com a velha política

Bolsonaro se encontrou separadamente com os chefes dos cinco partidos centristas na quinta-feira, os quais apóiam a reforma previdenciária em princípio, mas querem ver a versão do presidente revisada.

“Esta reunião marca o início de um novo diálogo onde podemos expressar nossas preocupações e construir pontes para garantir os avanços da agenda legislativa”, disse ACM Neto, chefe do poderoso partido Democratas, a repórteres depois de conhecer Bolsonaro.

Geraldo Alckmin, ex-governador de São Paulo e chefe do Partido Social-Democrata Brasileiro, disse que o sistema previdenciário deve ser reformado. Mas ele se opõe às mudanças que reduzem os benefícios para os trabalhadores rurais, idosos e deficientes.

Após as reuniões, Bolsonaro disse em um vídeo ao vivo no Facebook que espera que o Congresso aprove o projeto e acrescentou que nenhuma oferta de emprego do governo foi discutida com os líderes do partido. Seu chefe de gabinete Onyx Lorenzoni disse a repórteres que o presidente se reunirá com mais líderes na próxima semana.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e outros legisladores disseram que estavam perdendo a paciência com a recusa do governo em negociar e pediram a Bolsonaro e seus patrocinadores que parem de tentar governar o país via Twitter, com o qual ele conta para levar sua mensagem diretamente aos eleitores. .

À medida que o caos político se aprofundou, a volatilidade do mercado brasileiro aumentou, provocando acentuados declínios na moeda e nos estoques e um aumento nos rendimentos dos títulos. Os mercados se instalaram esta semana, mas os investidores esperam que a volatilidade permaneça alta.

Embora um recente decreto emitido pelo governo estabeleça requisitos de qualificação para empregos federais, as partes poderão agora colocar nomes qualificados para a frente, disse Izalci.

“Ele está corrigindo o erro. Ao se aproximar das partes, ele conseguirá seu apoio ”, disse Izalci. “Agora as coisas vão começar a se mover.”