Metas de João Dória em seu Governo: Mais de 50% sem retorno positivo

0

O ex-prefeito da capital paulista, João Dória, já saiu de seu mandato (começado em 2016) para ser candidato a governador neste ano. Ao todo, ele ficou pouco mais de um ano na função e o resultado da análise do seu governo, realizada pela Rede Nossa SP, aponta números ruins: havia 53 metas declaradas por ele e, delas, apenas 20 tiveram seu início, sendo somente 4 cumpridas na sua integralidade. Há ainda 29 que tiveram retorno negativo, tudo isso tendo como base 12 meses de gestão.

Com a sua saída para concorrer ao governo, quem está à frente da Prefeitura de São Paulo é Bruno Covas, o seu vice. Apresentando em porcentagem, pode-se dizer que somente 32% de todas as metas que ele tinha foram realizadas, ainda que não totalmente: existe só uma que está em 75% de conclusão.

É claro que é necessário ser justo: as 53 metas eram referentes ao intervalo entre 2017 e o ano de 2020 e, como ele ficou somente um ano no cargo, é claro que a porcentagem de coisas iniciadas tem de ser proporcional.

O problema é que o gestor de projetos Américo Sampaio, que é da Rede Nossa SP, aponta que as coisas básicas que João Dória precisaria ter executado são até simples. Na verdade, todas as metas que o ex-prefeito apresentou eram de complexidade baixa ou média, ou seja, não se tem razão suficiente para que um número tão pouco delas tenha sido começado.

O que a Prefeitura de São Paulo responde?

Quando essa análise da Nossa Rede SP foi anunciada, a Prefeitura da capital paulista deu a sua explicação, dizendo que existem 32 metas que os cidadãos podem consultar, ou seja, que estão em andamento. Outro argumento foi de que existem metas que não podem ser avaliadas anualmente: há certos projetos cujos resultados só vão poder ser mensurados a cada dois anos. Sendo assim, não procederia o anúncio de que elas não tiveram nenhum retorno.

Outra afirmação é que, mesmo com Bruno Covas como prefeito, todas as 53 metas que foram divulgadas serão honradas até o final do mandato. Porém, algumas têm orçamentos anuais e, se o de 2018 já foi alcançado, essa meta fica parada para que não utilize verba que seja de outras. Seria por isso que se tem a ideia de que elas estão “paradas”.

Como fica cada eixo?

A Prefeitura de São Paulo tem diversos eixos e os cidadãos podem analisar as metas de acordo com eles também, alcançando uma perspectiva mais segmentada. No caso do Desenvolvimento Humano, por exemplo, a quantidade de metas que foram executadas é de 19%, sendo de 29% considerando o eixo de Desenvolvimento Social.

Já o eixo de Desenvolvimento Econômico e Gestão ficou em 27% de metas executadas, havendo bem menos no eixo de Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente, onde há apenas 14%. O eixo que tem pior quantidade de metas executadas é o de Desenvolvimento Institucional: somente 9%.

 

O que já foi integralmente executado?

Além de citar as metas que ainda têm de ser executadas, cabe falar daquelas que a Prefeitura de São Paulo já finalizou, como:

– Todas as denúncias referentes à violência contra vulneráveis passaram a ser encaminhadas corretamente, ou seja, uma execução de 100%;

– Se o empreendimento é de baixo risco, passa a estar formalizado em até 5 dias;

– Indivíduos com situação de rua já são acolhidos em 90%;

– Os aterros sanitários estão recebendo menos 500.000 toneladas. Considerando o ano de 2016, quer dizer que mais de 126 mil toneladas foram diminuídas.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.