Skip to content

Conheça o programa do governo minha casa, minha vida

julho 23, 2018

O programa minha casa minha vida, tem beneficiado milhões de brasileiros de baixa renda. Trata-se de um projeto público do Governo Federal.

Como participar do programa e demais condições

Os tipos de habitações que podem ser financiados através do minha casa, minha vida são: imóveis rurais e imóveis urbanos. Cada caso tem suas particularidades e devem ser avaliadas pela financeira.

Os interessados devem ir à Prefeitura da cidade onde moram para fazerem a inscrição para o programa. É necessário levar um comprovante de renda, CPF e RG. A lista dos contemplados do programa de acordo com a renda, é divulgada no Diário Oficial da União.

Feito isso o cidadão deve, ir em alguma das agências da Caixa Econômica Federal ou acessar o site da financeira para maiores informações: http://www.caixa.gov.br/voce/habitacao/minha-casa-minha-vida/Paginas/default.aspx.

A CEF, é o banco responsável pelo programa Minha Casa Minha Vida, e estabelece as seguintes condições para participação do benefício:

Para famílias que recebem até 7 mil reais, a possibilidade da obtenção de taxa de juros mais baixa, em prazos de pagamentos mais acessíveis, e prestação do imóvel que seja igual a 30% da renda do contribuinte.

No site da Caixa, é possível encontrar um simulador de financiamento, que calcula em tempo real, com base nas informações fornecidas pelo cliente, quanto ele pode financiar, qual o valor do subsídio, das parcelas do imóvel e quanto tempo para pagar.

História

O programa minha casa, minha vida foi criado em março de 2009, pelo Governo Federal durante a gestão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. É considerado um dos maiores programas de habitação dos últimos 30 anos.

Ele subsidia a aquisição de imóveis para famílias que recebem até 1.800 reais, e facilita para cidadãos com remuneração de até 7 mil reais a comprar seu imóvel.

O objetivo do programa era dinamizar a construção civil brasileira, combatendo os efeitos da crise econômica internacional do ano de 2008, fazendo o índice habitacional da população crescer consideravelmente.

Cerca de 4,2 unidades habitacionais foram criadas, e entregues 2,7 milhões de moradias através destas. Em sete anos, o total de investimentos passou de 300 bilhões de reais.

Esses números superaram os do programa da época da ditadura, o BNH (Banco Nacional da Habitação), que financiou 4,5 milhões de moradias, chegando a essa marca somente aos 22 anos de existência.

Os críticos ao programa minha casa minha vida, afirmam que esse não é o único problema a ser resolvido no Brasil, já que diversas famílias ainda não conseguiram sua moradia própria, seja por meio do programa ou de forma individual.

Algumas fraudes envolvendo o projeto, como superfaturamento das obras, edificações inacabadas, fraudes na hora de comprar o imóvel, pois alguns que não precisariam de moradia, estariam conseguindo adquirir sem problemas.

Essas questões, só tornam o cenário no Brasil polêmico, injusto e dá a certeza de um governo ineficiente, que não sabe administrar e dividir os recursos públicos, a fim de que todos sem exceção, usufruam dos mesmos benefícios.